sexta-feira, 3 de junho de 2011

Sítio do Pica Pau Amarelo



     Você conhece o Sítio do Pica Pau Amarelo!!!

Marmelada de banana, bananada de goiaba
Goiabada de marmelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Sítio do Pica-Pau amarelo

Boneca de pano é gente, sabugo de milho é gente
O sol nascente é tão belo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Rios de prata, pirata
Vôo sideral na mata, universo paralelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Sítio do Pica-Pau amarelo

No país da fantasia, num estado de euforia
Cidade polichinelo
Sítio do Pica-Pau amarelo





 A História
Quando reuniu sua Obra Completa, Monteiro Lobato dividiu sua vasta produção em duas seções: Literatura Geral (1946) e Literatura Infantil (1947). Esta última, pela extensão e pelo interesse que suscitou do público, garantiu ao escritor o posto de melhor brasileiro do segmento. Entre os vários títulos e reedições desses livros, a versão de O Picapau Amarelo de 1939 ocupa um lugar de destaque. É nessa obra que se narra como os personagens de várias histórias fabulosas passam a morar no Sítio do Picapau Amarelo.

Lá já estavam Dona Benta e outros protagonistas: os netos Pedrinho e Narizinho, a boneca de pano falante Emília, o Visconde de Sabugosa, Tia Anastácia, Tio Barnabé, o Marquês de Rabicó, o sábio burro Conselheiro e o rinoceronte Quindim. No contrato de compra de uma propriedade vizinha, destinada a abrigar mais personagens, havia uma cláusula segundo a qual deveriam vir também todos os "personagens do Mundo-da-Fábula para as Terras Novas de dona Benta". Esses seriam seres como Pequeno Polegar, Branca de Neve com os sete anões, Cinderela, Barba Azul, gênios e personagens das Mil e Uma Noites, Netuno, Medusa, entre outros, além de Dom Quixote.

Mas havia uma condição: "Eles ficavam para lá da cerca e ela e os netos ficavam para cá da cerca, nas velhas terras do sítio. Quando algum quisesse visitá-los, tinha de tocar a campainha da porteira e esperar que o Visconde abrisse. Proibido pular. Quem o fizesse, correria o risco de espetar-se no pontudo chifre de Quindim -o guarda". Monteiro Lobato joga com várias tradições da literatura infantil e das fábulas neste livro, para onde converge a narrativa de obras anteriores.

A saga do Sítio do Picapau Amarelo começou em 1921, com a publicação de Narizinho Arrebitado. Outros viriam, como O Saci (1921), Fábulas de Narizinho (1921), O Marquês de Rabicó (1922), O Noivado de Narizinho (1927), Reinações de Narizinho (1931), As Caçadas de Pedrinho (1933), Emília no País da Gramática (1934), Geografia de Dona Benta (1935), Histórias de Tia Anastácia (1937). Nessas obras, percebe-se -além de uma imaginação poderosa -um sentimento de nacionalismo e de apego ao rural. Havia também uma clara orientação didática a guiar Lobato na composição desses textos. Por meio de fabulações, o autor educava e incentivava nas crianças o gosto pela leitura. Há até remissões de um livro para outro, que serviam assim não apenas como apontamento de uma coerência interna de toda essa produção.


Nascido em 1882, em Taubaté, e falecido em São Paulo, em 1948, Monteiro Lobato teria adaptada pela tevê sua literatura infantil. A série Sítio do Picapau Amarelo faria enorme sucesso nas décadas de 70 e 80. Já sua "obra geral" também teria momentos de grande repercussão, como a criação em Urupês (1918) de um dos personagens brasileiros mais populares, o Jeca Tatu, um caipira preguiçoso, doente e inadaptável à civilização -imagem preconceituosa que ele corrigiria posteriormente. Passou à margem do Modernismo brasileiro, contra o qual chegou a travar polêmica ao criticar uma exposição da pintora Anita Malfatti (1889-1964).

Conheça os personagens que moram no Sítio:


Dona Benta é a vovó de Narizinho e Pedrinho. Ela lê muito e é excelente contadora de histórias. Domina vários idiomas, tem uma grande cultura e sabe de tudo que acontece no mundo. Dona Benta mora no Sítio do Picapau Amarelo.
Pedrinho é um menino de dez anos que mora com a mãe na cidade. Sua mãe chama-se Antonica e é filha da Dona Benta. Ele vai para o Sítio todas as férias. Pedrinho gosta de aventuras, como caçar onça e Saci.

O Saci é uma figura popular do nosso folclore. Ele é um negrinho de uma perna só, que usa uma carapuça vermelha e pita um cachimbo. Ele se torna amigo de Pedrinho quando o menino o captura dentro de um redemoinho mas depois lhe devolve a liberdade. Aí então, o Saci mostra a floresta e todos seus habitantes para Pedrinho.

A Cuca também é um personagem do folclore brasileiro. Ela é uma bruxa com cara e corpo de jacaré. Malvada, ela vive em sua caverna escura, criando poções mágicas e planejando invadir o Sítio. Quando fica brava, de muito longe ouve-se o seu urro de raiva.


Narizinho, a neta de Dona Benta e prima de Pedrinho, tem oito anos e mora no Sítio. Seu nome é Lúcia e, por causa de seu nariz arrebitado, é chamada de Narizinho. É uma menina gentil, carinhosa e inteligente. Foi criada na roça e sabe subir em árvores e pescar. Sua paixão é a boneca de pano Emília.

A Emília, no começo, era apenas uma boneca de pano, feita de uma saia velha de Tia Nastácia. Mas, depois de tomar as pílulas falantes do Doutor Caramujo, não parou mais de falar. Cheia de idéias e mandona, lidera a maioria das aventuras das crianças.


Tia Nastácia é sábia em matéria de cultura popular, é uma grande contadora de "causos" e acredita numa série de superstições. Otima cozinheira, seus quitutes são famosos na redondeza. Tia Nastácia também cuida da limpeza da casa e dos animais. Ela vive querendo matar o Rabicó, animal de estimação de Narizinho, pra colocá-lo na panela. Só que Narizinho não deixa.

Rabicó é um leitão, guloso e covarde. Ganhou esse nome por causa do rabo curtinho. Está sempre fuçando o lixo atrás de comida, mas morre de medo da Tia Nastácia. Virou Marquês de Rabicó e casou-se com a Emília, por vontade de Narizinho.

Tio Barnabé é um "preto velho" que sabe de todos os mistérios do mato. Foi ele quem ensinou Pedrinho a pegar o Saci. Tio Barnabé cuida da Vaca Mocha e das galinhas.

Visconde de Sabugosa é um boneco de sabugo de milho feito por Pedrinho. Ele o deixou na biblioteca o que transformou o Visconde em um sábio, que está sempre pesquisando e estudando sobre vários assuntos. O Visconde tem um laboratório, no porão da casa de Dona Benta. Uma de suas invenções é o pó de Pirlimpimpim que leva as crianças do Sítio em muitas viagens.

Quindim é um rinoceronte africano, domesticado, que fugiu de um circo. Muito doce e falante, tornou-se o guardião do Sítio, pelo seu tamanho e sua força. Ele sabe muito sobre gramática e outras ciências, guiando as crianças no País da Gramática.

O Conselheiro foi salvo pelas crianças das garras de um tigre no País das Fábulas. É educado e fala muito bem. Ele fica no quintal com Quindim, lendo e conversando. Como sempre dá bons conselhos, a Emília deu-lhe o nome de Conselheiro.





Teremos grandes aventuras no Sítio. Fique ligado no blog!


Aberturas do Sitio do Pica Pau Amarelo na TV.
 







3 comentários:

  1. **eu gostei muito da historia e das personagens**

    ResponderExcluir
  2. as imagens sao muitos bonitas e a historia tambem

    ResponderExcluir